Mais uma primavera chegando e com ela novas oportunidades e experiências, aproveite a estação para experimentar vinhos novos na melhor companhia. Mas sempre surge aquela dúvida, qual vinho harmoniza melhor com os dias mais quentes e comidas mais leves? Pensando nisso, a gente semparou várias dicas incríveis que vão te ajudar a fazer a escolha certa. Confira!

No Brasil, o vinho está muito ligado ao inverno e dias frios, harmonizando perfeitamente com pratos quentes e encorpados. Porém, esta maravilhosa bebida é perfeita em qualquer estação, basta saber escolher e, principalmente, harmonizar. Com as temperaturas subindo e a alegria das flores tomando conta, há uma gama de vinhos que vão ao encontro desse clima: espumantes, brancos, rosés e alguns tintos mais leves.

Vinho rrosé

Vamos combinar, nenhum vinho simboliza tanto a primavera como o rosé, com sua cor exuberante e seu frescor, não pode faltar à mesa. Harmoniza perfeitamente com o clima ensolarado e a culinária regional, mais leve e alegre. O rosé tem uma grande vantagem: vai bem tanto com legumes, saladas, peixes e frutos do mar, como com carnes mais leves, grelhados e massas. Uma boa saída para mesas em que uns preferem peixes e outros, carnes. Todo mundo já sabe que esperar de um vinho tinto e branco, mas com o rosé é diferente, as pessoas se surpreendem, seja pelos aromas e sabores, seja pela apresentação de sua cor e garrafa. 

Espumantes e vinhos brancos

Espumantes e vinhos brancos são geralmente associados ao calor do verão, e com razão: são leves, têm ótima acidez , muito frescor e devem ser degustados gelados. Mas também podem ir bem com temperaturas amenas, como primavera e outono, dependendo da harmonização. Ainda em relação aos brancos, uma dica para a sobremesa é o italiano moscato D’Asti, um vinho adocicado e com uma leve efervescência, que harmoniza com sobremesas de frutas frescas. 

Os tintos, combinsm?

Os vinhos tintos também são perfeitos para a primavera, basta saber escolher ele de forma certa, pensando sempre no momento em que será apreciado e na companhia de qual prato. A uva pinot noir produz vinhos mais delicados e complexos, tanto no aroma como no sabor, com menos intensidade de cor.

Pode ser um pouco mais caro, já que se trata de uva difícil de ser cultivada e não se dá bem qualquer região. Além da Borgonha, a pinot noir se deu bem no Chile, na Patagônia (Argentina), na Califórnia (Estados Unidos) e na Nova Zelândia. Os vinhos do Sul da França são ótimas opções para a primavera, como os Côtes du Rhône, que são de corte ou assemblage, ou seja, uma mistura de várias uvas. A grande maioria levam pinot noir, grenache, mourvèdre e syrah. Quando o vinho é feito somente com um tipo de uva, chama-se varietal.

Também é possível encontrar vinhos mais leves de outros países, como Argentina e Portugal, que tenham em sua assemblage a uva merlot, que muitas vezes tem o papel de “amaciar” o vinho, e a pinot noir, ambas geralmente associadas às uvas emblemáticas do país produtor - por exemplo, na Argentina é a malbec; no Chile, a carmenère.

Temperatura 

A temperatura de cada vinho é muito importante, pois pode interferir no seu sabor. Por isso, é preciso resfriá-lo ou mantê-lo climatizado. Confira as temperaturas ideais:

  • Espumantes e champanhes secos e doces : de 6° a 8°C;
  • Brancos leves: de 6° a 8°C; 
  • Brancos de médio corpo: de 9° a 11°C; 
  • Brancos encorpados e licorosos: de 10° a 12°C; 
  • Roses: de 6° a 8°C;
  • Tintos leves: de 10° a 12°C; 
  • Tintos de médio corpo: de 14° a 15°C; 
  • Tintos encorpados e envelhecidos: de 17° a 18°C.

Fonte: terra