O mundo dos vinhos está repleto de termos que parecem muitas vezes complexos, mas que após uma análise breve fazem muito sentido. Ficam aqui alguns, para ajudar a saborear melhor os nossos vinhos nacionais.

Lista de alguns termos utilizados no mundo do vinho e seus significados.

  • Aberto: de cor clara;
  • Assemblage: mistura de vinhos diferentes;
  • Bouquet: conjunto de sensações olfativas adquiridas pelo vinho no ambiente reduzido da garrafa, englobando também os aromas primários e secundários;
  • Brut: tipo de espumante natural com menor teor de açúcares residuais;
  • Corpo: sensação do vinho na boca;
  • Decantar: Ação de transferir um vinho com sedimentos da garrafa para um decanter a fim de separar o líquido do sólido. Também é realizada para oxigenar vinhos tintos jovens encorpados, algo tânicos e/ou fechados aromaticamente;
  • Encorpado: termo usado em degustação para indicar um vinho rico em extrato seco (corpo);
  • Enófilo: apreciador e estudioso de vinhos (ou amante). Aquele que se dedica, profissionalmente ou por prazer, a estudar o mundo dos vinhos;
  • Enólogo: indivíduo formado em enologia, o enólogo é responsável pela produção e por todos os aspectos relacionados com o produto final;
  • Frisante: vinho ligeiramente efervescente, com anidrido carbônico, porém em quantidade inferior à dos espumantes;
  • Jovem: Qualquer tipo de vinho leve, fresco e frutado sem potencial de guarda. Precisam ser bebidos jovens. Este termo pode ser utilizado também para definir àqueles vinhos de guarda com falta de amadurecimento em garrafa para chegar a seu ponto ótimo de consumo;
  • SommelierEste profissional fica responsável pelo serviço de vinhos nos restaurantes;
  • Tânico: qualidade de deixar na boca a sensação de adstringência;
  • Vindima: colheita de uvas;
  • Fechado: Vinho recém aberto que não demonstra ainda as suas características aromáticas e de sabor. Precisa de tempo e aeração para mostrar-se;
  • Acidez: Diferentes tipos de ácidos compõem a acidez de um vinho, como o tartárico, cítrico, málico, láctico, succínico e acético. É um dos compostos mais importantes do vinho;
  • Açúcar residual Açúcar que fica no vinho depois da fermentação alcoólica. Segundo a quantidade desses açúcares pode dar origem a vinhos doces.Todos os vinhos tem ao menos algo de açúcares não fermentáveis;
  • Agressivo: Muito tânico, ácido e/ou alcoólico;
  • Agulha: Ligeira efervescência;
  • Gosto: Num sentido mais amplo, os provadores incluem, na designação gosto, todos os estímulos e sensações que o vinho produz quando entra, e depois passa na boca, incluindo os aromas distinguidos pela via retronasal. Mas existem quatro sabores elementares – doce, salgado, ácido e amargo – que são sentidos em zonas distintas da língua;
  • Fim de boca: É a sensação final deixada por um vinho na boca. É também uma expressão de qualidade, pois um grande vinho tem sempre um final longo. Quando é muito curto e seco, tem geralmente uma acidez volátil elevada;
  • Macio: Diz-se de um vinho suave, com poucos taninos, que origina sensações de macieza na boca;
  • Refrescante: É um vinho com boa acidez, que proporciona sensações agradáveis, alegres e calmantes;
  • Redondo: É um vinho envolvente, quente, com um bom balanço devido a ser equilibrado. Há harmonia entre todas as suas componentes.

Fontes: indupropil, missaosommelier