Depois de aberto, não tem jeito. O vinho entra em contato com o ar e começa, mesmo que de forma lenta, um processo chamado oxidação, que vai fazer com que os aromas do vinho se percam e o vinho se deteriore. Por isso, guardar o restinho do vinho é sempre a última opção. O melhor mesmo é não deixar nada para depois.

Mas, claro que às vezes acontecem situações que não nos permitem beber toda uma garrafa de 750ml e que nos “obrigam” a guardar o vinho depois de aberto, não é mesmo? Nesse caso, seguem algumas dicas práticas de conservação.

Como conservar?

1 – Método Simples de Geladeira

Coloque novamente a rolha na garrafa e a deixe armazenada na porta da geladeira. O frio irá retardar um pouco a oxidação que está ocorrendo no líquido. No entanto, é bom não esperar muito para consumir esse vinho. Três dias é o prazo máximo. Ah! Claro que deve ser levado em consideração que vinhos mais encorpados e com mais álcool resistem um pouco mais.

2 – Método de Vácuo

Existe no mercado um produto chamado Vacu Vin, uma bombinha de sucção que vem com tampas de borracha que funcionam como válvulas. Ele retira todo o ar de dentro da garrafa, retardando assim o processo de oxidação do vinho. Pode ser encontrado em diversas lojas de vinho e também de artigos para o lar. Sem dúvida, esse produto é um bom aliado, mas ainda assim, haverá perda de aromas e das características únicas do vinho.

3 – Método de Meia Garrafa

Se você costuma deixar meia garrafa para outro dia, o melhor é utilizar garrafas vazias de 375ml para armazenar o restante do vinho que sobrou das garrafas grandes. Fazendo isso, o vinho que restou da garrafa de 750ml, por exemplo, irá ocupar quase que integralmente o espaço da garrafinha não sobrando muito espaço para o oxigênio, de forma a estender um pouquinho mais o tempo de vida do vinho.

4 – Método de Restaurantes

No caso dos restaurantes que servem vinhos em taças, um método eficaz de conservação se faz extremamente necessário. Neste caso, é usado o nitrogênio, que é um gás inerte e que não altera a bebida. O Nitrogênio, por meio de máquinas específicas, é injetado às garrafas de vinho já abertas substituindo o oxigênio. O preço é elevado demais para uso caseiro.

Fonte: Blog Vinho Tinto